Lugar de criança é no Supermercado? Até onde podem ir os chamados influenciadores digitais infantis?

Uma coisa é fato: Nossas crianças não assistem mais televisão. Elas assistem youtube.

Elas gostam de produzir seus próprios conteúdos. E gostam de interagir com os produtores de conteúdo. Sem intermediação.

Não podemos dizer que esse novo hábito é de todo ruim. Existem alguns canais produzindo conteúdo interessante para esse público. Existem crianças criativas e talentosas, que  hoje, por causa desta palataforma, podem criar e disponibilzar belos conteúdos. Mas também há distorções. E essa prática exige dos pais e mães um monitoramento mais frequente, principalmente no que diz respeito aos canais de grandes influenciadores digitais.

Se o público está agora muito mais na internet do que na TV, é claro que as grandes empresas também devem migrar suas campanhas publicitárias para lá. E, dessa forma, essas grandes empresas vem fazendo. De uma maneira bem mais complexa, sendo que muitas vezes as crianças podem nem perceber que se trata de uma propaganda ou ação de marketing. Elas são simplesmente induzidas ao consumo, sem perceber que por trás disso, seu ídolo youtuber está recebendo muito dinheiro para, por exemplo,  relatar sua experiência “maravilhosa” com este ou aquele produto.

Este mês, o youtuber Felipe Neto foi convidado pela ASSERJ (Associação dos Supermercados do Estado do Rio de Janeiro) para dar uma palestra cujo tema era: “Lugar de criança é no supermercado. O objetivo era que o youtuber falasse quais estratégias de aproximação com o publico infantil podem ser usadas nas propagandas direcionadas para ele. Aí está instalada a gravidade da situação. Como proteger as crianças desse tipo de influência e dos apelos consumistas que em todo o momento bombardeiam as telas dos tablets e celulares? Que critérios devemos encontrar para o tempo e o tipo de conteúdo a que a criança deve ficar exposta?

O programa Greg News, da HBO, teve como um dos seus episódios a publicidade infantil. Vale a pena ver o vídeo e refletir sobre sobre o assunto! Segue o link abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=ThwcQt1B0dU&feature=youtu.be

Fiquemos atentos aos benefícios e malefícios dessas novas práticas digitais! Pensemos sobre o lugar em que a sociedade oferece à infância: o lugar de  sujeitos com direitos ou de consumidores em potencial?

E, como afirma o Movimento da Infância Livre de Consumismo: “Lugar de criança pode até ser no supermercado, mas, ao lado dos pais aprendendo a comprar comida de verdade e sabendo o que, de fato, vale a pena botar no carrinho, sem ceder aos apelos consumistas!”

 

Leve a informação até os seus amigos! Curta e compartilhe!
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someonePrint this page

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>